Maria Poesia

Psicanálise e a Poesia na Vida Cotidiana.

A gente inventa a vida para caber dentro dela.

Textos



Nas dobras do real tateio os vincos do devir...

...nos frisos acaricio os contornos
numa tentativa vã
de emoldurar
meu afetos.
Nos cantos procuro um corrimão
que desbasta...
 
escorrego...
 
... sou rasgada pelo desamparo.
 
Em escaras
meu corpo macerado geme,
meus sonhos feito chagas
dessangram...
 
...só quem já sentiu  o gosto das lágrimas que vertem da agonia
do abandono
conhece a face do intolerável...
do inominável...
 
não...
 
não há palavras para nomear o peso de uma dor...
não para a que dilacera a alma em vaziez
... prenhe de desejos em pedaços...
fantasmas  indomáveis,
que não cabem
no santuário do tempo
de uma vida!
 
...
Assim como
Florbela Espanca...

“A minha dor não cabe nos cem milhões de versos que eu
fizera!

Neusa Maria  31.07.2014

 
Neusa Maria
Enviado por Neusa Maria em 31/07/2014
Alterado em 30/01/2016
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Sonhos, Poesia e Psicologia