Maria Poesia

Psicanálise e a Poesia na Vida Cotidiana.

A gente inventa a vida para caber dentro dela.

Áudios

Ai...como queremos um ninho.
Data: 08/04/2010
Créditos:
Autoria e declamação: Teresa
Data da publicação 21.10.2009

A música de fundo é a primeira parte de um Estudo para piano - Opus 10 nº 3)de Chopin,conhecida como "Tristesse" interpretada por Richard Clayderman.(Presente do amigo Mestreescola)
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Ai...Como queremos um Ninho.

A lembrança de um ninho acaricia nossa mente.
Quando encontramos um emaranhado de raminhos secos
na soleira da nossa janela, ou em outros lugares inusitados, nosso coração canta.

Porque?
Porque descobrir um ninho nos leva de volta no tempo.
Somos transportados lá pro útero, que por primeiro
nos abraçou, nosso primeiro  ninho, aconchegante e quentinho.
Ao nascer...o colo de nossa mãe...e seu seio quando nos amamentou com seu leite gostoso.

Quando nos acarinhou pra dormir.

Nos braços do nosso pai...ai ... como era bom se aninhar neles, parecia que o universo inteiro cabia inteiro naquelas estórias.
Ou no colo de nossos avós...naqueles braços enrugados e macios
...
...naquelas mãos que de tão queridas, cabiam o infinito.

Mas então crescemos.
E a  busca por este ninho continua pela  vida afora sem trégua.
Procuramos um ninho nos amigos, nos namorados , no marido, ...e até no amante muitas vezes.

E não importam se nossos ninhos vão sendo destruídos, quando um vendaval derruba a árvore dos nossos sonhos, e nosso ninho se estraçalha no chão.

Nós nos curvamos diante da dor do ninho desfeito, e vamos de novo juntando as palhinhas.
Com cuidado e com esperança.
Porque um colo...ah... um colo... que nos cubra de afeto, de carinho e cuidado, é o que  tanto  queremos nesta vida.

Pra nos aninhar ...pra nos amar!
Mas principalmente,  porque voltando a posição fetal, queremos ter a doce ilusão, de que desta vez não precisaremos mais sentir as contrações da vida.

Não queremos entender,  nem acreditar que a condição  essencial, pra que a vida se complete em nós, são justamente as perdas que vamos viver, e que serão elas...uma a uma....
...que vão  ser as palhinhas do colo celestial mais importante..
...o mais quentinho,
...o mais permanente,
...e o mais aconhegante que vamos viver, -
e este não vai se destrinchar no chão –

... é querer ter a experiência da sacralidade do ninho da nossa alma!
 
Teresa/2008
 
Enviado por Neusa Maria em 21/10/2008

Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Sonhos, Poesia e Psicologia